Como gostar de ler obras obrigatórias do vestibular?

Sabemos que a carga de leituras obrigatórias para quem vai prestar o vestibular é muito alta, sem contar com a quantidade de conteúdos disciplinares cobrados nas provas. Já pensou em estudar tudo isso de forma otimizada, enquanto você estiver na academia, indo para a escola, esperando o ônibus, dentro do metrô ou qualquer outro lugar em que estiver? Então continua aqui com a gente que vou te explicar como isso é tão fácil.

Selecionamos alguns livros importantes da literatura que são de leitura obrigatória para o Enem e outros vestibulares 2018. Já pensou que ótimo seria ouvir as histórias desses livros de forma interpretada e atraente para que você mergulhe junto com os personagens? Pois é, agora você pode! Basta colocar seu fone de ouvido e em poucas horas dar um ‘check ’ check  em seu cronograma de ‘Estudos pré-vestibular’

Confira nossas dicas de como se preparar para o vestibular e ter ótimos resultados, clicando aqui.

A seguir, confira a lista de leitura fundamental para o vestibular, como fuvest, unicamp, unesp, unifesp, UFRJ, PUC, Mackenzie entre outras.

Memórias Póstumas de Brás Cubas

memoriasConsiderada uma das obras mais revolucionárias e inovadoras da literatura brasileira, Memórias Póstumas de Brás Cubas escrito por Machado de Assis, é um dos livros que se encontra na lista de obrigatória para o vestibular. Narrado em primeira pessoa, é a autobiografia de Brás Cubas, que escreve suas memórias depois de falecido, inovando com a ideia do defunto que escreve livros.

Quincas Borba

quincas-borba-machado-de-assis-rafael-cortez-100077Após a morte de Quicas Borba, narrado no livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, a fortuna herdada por ele foi deixada para seu amigo Rubião, professor de Barbacena, cidade onde residia o filósofo. Neste audiolivro, Machado de Assim deixa de lado a liberdade formal que havia empregado em “Memórias Póstumas de Brás Cubas”. Desta vez, ele optou por narrar os fatos em terceira pessoa.

A Morte e a Morte de Quincas Berro D’água

300x300-resize_of_a_morte_e_a_morte_de_quincas_berro_daguaTexto enxuto e denso, poético e debochado, o audiolivro, A Morte e a Morte de Quicas Berro Dágua, é uma pequena obra de Jorge Amado. Conta a história da dupla morte de Joaquim Soares da Cunha. Teria ele morrido de morte natural, no leito pobre de um cortiço da ladeira do Tabuão, ou embarcando para o outro mundo algumas horas depois, no mar da Bahia, onde sempre desejara ser sepultado? Ou teria partido antes, quando caiu na vida dissoluta da capital baiana? No caixão, Quincas ostenta um sorriso maroto. Estaria mesmo morto?

Cidade e as Serras

a-cidade-e-as-serras-eca-de-queiros-paulo-vinicius-100196O livro que melhor representa a última fase do realista Eça de Queirós. A obra, A Cidade e as Serras, apresenta uma comparação entre Paris e Tormes (zona rural de Portugal). Escrito em primeira pessoa, a obra tem um narrador-personagem, José Fernandes, que relata a vida do protagonista Jacinto de Tormes. Na narrativa, o narrador destaca os episódios diretamente relacionados a Jacinto de Tormes, deixando suas próprias atitudes apenas como elos da história vivida pelo protagonista.

Iracema

iracUm ponto importante da obra, Iracema de José de Alencar, é que personagens fictícios se misturam com elementos históricos que realmente aconteceram no Ceará do século XVII. O objetivo do autor com esse recurso era trazer uma importância nacionalista à sua produção, mas sem deixar de lado a estética romântica, criando uma trama amorosa totalmente fictícia.

Dom Casmurro

dom-casmurro-machado-de-assis-rafael-cortez-100055O audiolivro Dom Casmurro, de Machado de Assis, retrata dois momentos distintos: a convivência com a amiga Capitu na adolescência e seu casamento, época marcada pelo ciúme de Bentino diante da suspeita de traição de Capitu com seu melhor amigo, Ezequiel Escobar.  Sofrendo com esta hipótese, Bentinho se torna cada vez mais isolado, daí a alcunha Casmurro.

Contada na primeira pessoa do singular por Bentinho, já viúvo. Todas as informações são apresentadas ao ouvinte pelo ponto de vista do narrador, oferecendo apenas um lado da história. Como Capitu já está morta, não pode se defender das acusações de adultério, levando o ouvindo a assumir como verdadeira a versão de Bentinho. Mas vale lembrar que a suposta traição nunca é confirmada, deixando o fato em aberto na obra de Machado.

Memórias de um Sargento de Milícias

memorias-de-um-sargento-de-milicias-manuel-antonio-de-almeida-gustavo-rocha-100064Esta obra surgiu como um romance de folhetim, ou seja, em capítulos, publicado semanalmente no jornal Correio Mercantil. Os folhetins não indicavam quem era o autor. Apesar do título de “memórias”, o romance não é narrado pelo personagem Leonardo, e sim por um narrador onisciente em terceira pessoa, que tece comentários no desenrolar dos acontecimentos. As aventuras de Leonardo, conduz o protagonista a apuros dos quais ele sempre se salva, graças a seus protetores. Leonardo é um personagem fixo no romance e suas características básicas não mudam.

Macunaíma

macunaima-jefferson-brito-101316macunaima-jefferson-brito-101316Mário de Andrade publicou Macunaíma em 1928, uma das obras mais importantes da 1ª Geração Modernista. Macunaíma encarna diversos heróis da literatura popular brasileira. Não tem preconceitos, não se prende à moral de uma época. Dessa maneira, concentra em si próprio, todas as virtudes e defeitos que nunca se encontram reunidos em um único indivíduo.

O herói sem nenhum caráter é um canto vazado na língua portuguesa falada em nosso país. Acompanhado de seus irmãos, ele viaja para o Sul em busca do amuleto, que estava em poder do fazendeiro peruano Venceslau Pietro Pietra. Encantado com a “civilização moderna”, Macunaíma, de certa forma, se vê dividido entre seu reino e as maravilhas de “São Paulo, a maior cidade do universo”

Cortiço

o-cortico-300x300Obra pertencente à escola literária do Naturalismo e conta no contexto do Rio de Janeiro do século XIX. Lançado no ano de 1890 e, até hoje faz parte das obras literárias que compõe o universo dos vestibulares no Brasil, dada a riqueza em retratar a sociedade, seus valores ou mesmo a falta deles. Tendo como cenário uma habitação coletiva, o romance difunde as teses naturalistas, que explicam o comportamento dos personagens com base na influência do meio, da raça e do momento histórico. O audiolivro conta a saga de João Romão rumo ao enriquecimento.

Auto da Barca do Inferno

auto-da-barca-da-inferno-varios-101358Essa obra representa o juízo final católico de forma satírica e com forte apelo moral. O cenário é uma espécie de porto, onde se encontram duas barcas: uma com destino ao inferno, comandada pelo diabo, e a outra, com destino ao paraíso, comandada por um anjo. Os que morrem chegam e são acusados pelo Diabo, mas apenas o Anjo poderá ou não absolvê-los.

A obra é escrita em versos rimados, fundindo poesia e teatro, fazendo com que o texto, cheio de ironia, trocadilhos, metáforas e ritmo, flua naturalmente.